by Amita

Funk it !

 

 

De forma absoluta, atenção exclusiva, os cílios não se tocam, ombros levantados, a cabeça roda, como dizendo “vai, pega, leva tudo, faz o que quiser que sou toda sua mesmo ”, porque quando eu entro assim, perco o controle deliberadamente, viro cúmplice atuante da abdução da minha alma mais que encantada pelos os caminhos, becos,vielas, atalhos, porões  por onde sou conduzida / seduzida.
Esse som traduz e se confunde com o dia de hoje, pra muitos aqui no Brasil, efetivamente o primeiro, o pra valer.
Também é espelho do que estou/sou dentro, cada célula, elétrons e prótons num esconde-esconde,
com pequenas pausas só pra tomar o fôlego de volta, níveis astronômicos de adrenalina.
No coração soprado, o ar se esgota fácil com esses ventos assim ácidos, prolongados, abruptos, sempre cheios de provocação nervosa, constante no
Funk Como Le Gusta, esses caras que vivem sob meu também céu.

Música esperta, tesuda, em alto e bom som, swing do concreto de São Paulo, sangue ótimo, funk do melhor, que sacode pra acordar.
Porque agora não tem mais desculpa. bjs_II_

ps: e para os leitores de outras terras, Happy Valentine’s Day.

 



Escrito por amita às 08h27
[   ] [ envie esta mensagem ]




Preciso Navegar

 

Cordas em acordo. Nas vibrantes de hoje, cítara, berimbau, terra adentro, mar além. Cordas que me consomem mas que ainda não consumi.

É um dos sonhos, que vem em agudos sentidos, do fundo, cortantes afinados em perfeição pura.

Dos dedos deste Carlos direto pro meu coração, que de vermelho verdeja quando as paredes recebem demãos doces, azeitando a vida com surpresa.

Em tempos de Ano Novo Chinês, trago o galo-gajo, direto do outro lado do mar via navegação precisa, diferente do viver,

que não tem precisão alguma, ainda bem! bjs_II_

 

 



Escrito por amita às 08h11
[   ] [ envie esta mensagem ]




A verdadeira Luz da Cité de La Musique

 

Hoje não toco Miles, nem Shankar, nem Metheny.  Não canto Lady Day, nem Joni Mitchell, nem Elis.
Hoje aqui não cabe Chico, nem Tom ou Villa, não tem Mozart, Pixinguinha nem Nazareth.
Jai Uttal, Jaco e Yamandú não tem lugar aqui.

Porque hoje só quem cabe é Lenine, esse cara que é muitos em um, todos em tudo.
Ele que batera no violão, dedilha cordas em peles em pratos. Que embola cantador, trovador urbano,
esse cara está pernambucando o mundo.
Essa é a droga mais nova, tive adição imediata, imune à medicamento, não há internação que me segure, nem possibilidade de abstinência. 
É coisa boa, da melhor qualidade, todas elas juntas num só ser.
Lenine dedicou ao Tom. Eu prescrevo pra você, em especial, porque hoje é só você.
bjs_II_

 

ps: elogio especial aos anjos da guarda de prima, sua majestade universal da terra de Buena Vista, Yusa, e o acelerado da terra do Bajofondo,
brasileiro faz 10 anos, Ramiro Musotto, gente de sangue bom e entendimento instantâneo do desejo do Lenine,
cuja homenagem versão 2 devia ter sido feita 2 dias atrás (aniv. dele) mas eu ainda não tinha a trilha...

 



Escrito por amita às 09h50
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]

  Ver mensagens anteriores

links
  fiteiro
  música é o negócio
  impressoes de fevereiro
  spoiler
  lotta continua
  anaconda
  mude
  sovaco de cobra
  giralata
  gandalf
  poesia de latrina
  hora do café
  opyo
  impressões de ontem
  vita manifesta
  collective intelligence
  anita roddick
  no war blog
  night passage